Combate à dengue, zika e chikungunya é tema de campanha desenvolvida por alunos do curso de medicina FACERES

Combate à dengue, zika e chikungunya é tema de campanha desenvolvida por alunos do curso de medicina FACERES

Idealizada com base no aumento de alerta para os focos de proliferação do mosquito Aedes aegypti, acadêmicos da terceira etapa do curso de medicina FACERES, através do eixo do Programa de Integração Comunitária, desenvolveram folders, contendo orientações sobre doenças como a dengue, zika e chikungunya.

O objetivo é sensibilizar a população quanto à prevenção e o combate ao mosquito transmissor. Neste ano, mais de dois mil casos de dengue foram confirmados, pela Secretaria de Saúde de São José do Rio Preto, entre os meses de janeiro a março.

No Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde, foram notificados 103.595 casos suspeitos da doença entre 3 de janeiro e 13 de março de 2021.

É uma situação preocupante, porque um crescimento da dengue, somado com o período crítico da pandemia de Covid-19, pode sobrecarregar mais ainda os atendimentos nos hospitais.

A professora da disciplina responsável pela campanha, Márcia Cristina Ayres Alves, afirma que o controle da dengue e demais arboviroses é imprescindível neste momento delicado que vivemos em relação à pandemia, uma vez que diminuindo o número de pessoas acometidas pelas demais doenças, há impacto direto na diminuição da sobrecarga das ações e serviços de saúde, que no momento estão atuando no limite operacional.

 “A campanha tem por objetivo reforçar a mensagem de que a prevenção é uma responsabilidade de todos, principalmente da população. Em tempos de pandemia, trabalhar o combate do mosquito Aedes aegypti é um grande desafio. Com esse projeto queremos alertar e conscientizar a população sobre a importância e responsabilidade de manter em dia os cuidados para evitar a proliferação desse mosquito transmissor de doenças como Dengue, Zika e Chikungunya”, explica a professora.

O mosquito Aedes aegypti, transmissor dessas doenças, tem apavorado a população brasileira desde o início do século 16. Durante anos sendo combatido com fervor, muitas táticas já foram utilizadas na busca de eliminar o inseto. Porém, essa batalha não tem sido nada fácil. Nos últimos anos o Aedes tem se adaptado ao ambiente e aperfeiçoado cada vez mais suas formas de reprodução.

A reprodução acontece em água parada (limpa ou suja), onde os ovos são depositados. Algumas medidas simples podem ajudar a prevenir a presença do mosquito, como:

– Tampar os tonéis e caixa d’água;

– Manter as calhas sempre limpas;

– Deixar garrafas sempre viradas com a boca para baixo;

– Manter lixeiras bem tampadas;

– Deixar ralos limpos e com aplicação de tela;

– Limpar semanalmente ou preencher pratos de vasos de plantas com areia;

– Limpar com escova ou bucha os potes de água para animais;

– Retirar água acumulada na área de serviço, atrás da máquina de lavar roupa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *