A autoavaliação interna das Instituições de Ensino Superior (IES) é um dos componentes determinados pelo Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES) do Ministério da Educação e Cultura (MEC). Além dessa autoavaliação interna, as IES também precisam compor o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE) e algum outro tipo de avaliação externa.

Porém, não é somente para atender uma legislação que o processo de autoavaliação acontece. Atualmente, as IES têm funções sociais bastante determinantes para garantir sua presença nas comunidades. Avaliar passa a ser papel fundamental no processo de orientação, organização, funcionamento e integração (inclusive social) da instituição. Assim, a autoavaliação institucional é parte determinante e estratégica para a instituição, para seus colaboradores, seus alunos e toda a comunidade que dela se beneficia. Nesse sentido, é preciso garantir que o processo seja realizado de maneira idônea, crítica e livre de pressões, sejam elas políticas, administrativas ou mesmo pedagógicas.

Para que se possa garantir um processo de autoavaliação eficiente, uma Comissão Própria de Autoavaliação (CPA) foi instituída. A função da CPA é coordenar, organizar, analisar e divulgar autoavaliação institucional continuamente, apresentando, de acordo com as orientações legislativas competentes, relatórios anuais sobre essa avaliação.

O Relatório da CPA é um documento anual que subsidia o planejamento, execução, análise e divulgação dos processos administrativo-pedagógicos da Faceres e é utilizado pelo MEC no recredenciamento institucional e no processo de reconhecimento e renovação dos cursos da instituição.

A CPA é composta por representantes dos professores, dos alunos, da administração e da comunidade.